O vice-procurador-geral eleitoral Paulo Gustavo Gonet Branco cobrou nesta quarta-feira (17/8) a entrega das certidões criminais de primeira e segunda instância dos 12 processos relacionados ao candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Os documentos são necessários para que o petista não seja enquadrado na Lei da Ficha Limpa.

“O candidato limitou-se a juntar certidões criminais alusivas a execuções criminais, faltando as certidões criminais de 1ª e 2ª instâncias da Justiça Estadual, expedidas para fins eleitorais”, escreveu o procurador.

Nesta quarta, Lula criticou a Lei da Ficha Limpa e classificou como “bobagem” a forma como a legislação foi formulada.

“Foi uma bobagem fazer a Ficha Limpa do jeito que foi feita. Você, muitas vezes, pune uma pessoa e três meses depois ela readquire o direito de ser candidato outra vez. Eu acho que é preciso a gente dar uma rediscutida na Lei da Ficha Limpa”, disse o petista.

O Ministério Público Eleitoral também comunicou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que há “falhas” na documentação necessária para o registro da candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL).

O vice-procurador geral eleitoral, Paulo Gonet, enviou ao ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE e relator do processo de registro de candidatura do atual presidente, uma manifestação na qual aponta problemas.

O parecer do MP Eleitoral solicita que Bolsonaro seja intimado a corrigir as falhas constatadas, sob pena de o registro ser indeferido.