Grupamento da Guarda Civil Municipal (GCM) de Suzano aborda serviços e dúvidas importantes sobre o programa

 

O curso de Promotoras Legais Populares de Suzano chega à 20ª semana de aulas com a participação da Patrulha Maria da Penha, grupamento da Guarda Civil Municipal (GCM) voltado ao acompanhamento de mulheres sob medidas protetivas. O tema faz parte da programação “Agosto Lilás”, em alusão ao 16º aniversário da Lei Maria da Penha (lei federal nº 11.340/2006). A capacitação, promovida pelo Serviço de Ação Social e Projetos Especiais (Saspe), conta com atualizações semanais, com novos conteúdos toda terça-feira no canal oficial da Prefeitura de Suzano no Youtube (bit.ly/TVPrefeituradeSuzano).

 

A aula especial recebe a comandante da GCM, Rosemary Caxito, e a coordenadora da Patrulha Maria da Penha, Jaqueline Lima. Na oportunidade, a dupla faz um bate-papo sobre as funções do grupamento e aponta as principais dúvidas do público feminino sobre o serviço desempenhado pelo programa. O acompanhamento das vítimas se dá por meio da expedição da medida protetiva por parte do Juizado da Violência Doméstica e Familiar, após acolhimento do caso pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), vinculada à Polícia Civil. Ambos os órgãos contam com unidades de atendimento em Suzano.

 

Com a medida protetiva em mãos, a mulher passa a ser acompanhada pela patrulha, que conta com equipes especializadas para a atuação em caráter pedagógico e preventivo, a fim de coibir eventual desacato à medida. Durante a aula, a dupla aborda a legalidade dos serviços, o acolhimento das vítimas e a retirada de pertences, o papel da autoridade policial, os prazos da medida protetiva e os meios de denúncia.

 

De acordo com a coordenadora do curso de PLPs, a diretora de projetos Sandra Lopes Nogueira, a patrulha é um braço importante na luta contra a violência doméstica. “O serviço desempenhado pela GCM em Suzano é de extrema importância para a coibição da violência, sendo que a equipe atua na prevenção, mas também está pronta para efetuar prisões, assim evitando o feminicídio, que lamentavelmente assola a sociedade brasileira”.

 

A dirigente do Saspe, a primeira-dama Larissa Ashiuchi, também enalteceu o trabalho da patrulha em Suzano. “Neste primeiro semestre, o grupamento realizou mais de 4,2 mil rondas e efetuou dez prisões de agressores em descumprimento da medida. Além disso, neste mesmo período, outras 225 mulheres passaram a ser acompanhadas pela equipe. Isso mostra que o combate à violência doméstica é urgente e que a patrulha é imprescindível para a segurança e a vida de nossas mulheres. Concomitantemente a isso, seguimos atuando na educação de nossos meninos e meninas, reforçando o empoderamento feminino e a desconstrução do machismo para uma sociedade mais justa e livre da violência”.      

 

 

Crédito das fotos: Andreza Rodrigues/Secop Suzano