Salma al-Shehab fez postagens questionando os direitos das mulheres no país

Salma al-Shehab, uma estudante de 34 anos e mãe de dois filhos, foi condenada na Arábia Saudita por usar o Twitter e “causar agitação pública e desestabilizar a segurança civil e nacional”, segundo as autoridades locais. Sua pena inicial era de três anos de prisão, mas após um promotor público pedir revisão do caso, a pena foi ampliada para 34 anos.

De acordo com o jornal britânico “The Guardian”, a estudante da Universidade de Leeds, na Inglaterra, voltou em dezembro de 2020 a Arábia Saudita com a finalidade de levar seus filhos e seu marido com ela para o Reino Unido.

Durante a viagem ao seu país, Salma foi interrogada por autoridades locais e acabou sendo presa por conta da sua “atuação” no Twitter.

Segundo a Organização Saudita-europeia pelos Direitos Humanos (ESOHR, sigla em inglês), a moça fez postagens questionando o direito de guarda das mulheres pelos seus maridos e retuitou posts que pediam a libertação de defensores de direitos humanos que estavam na prisão.

Ainda que tivesse menos de 2 mil seguidores no Twitter e cerca de 150 no Instagram, as autoridades da Arábia Saudita entenderam que ela estava cometendo um crime de “agitação pública”. A condenação tem gerado revolta de diversas entidades como a ESOHR.