Pauleteh Araújo (PP), travesti de 27 anos e suplente do vereador Daniel Simões (PP), em São Sebastião, no Litoral Norte de São Paulo, foi impedida de assumir sua vaga na Câmara Municipal durante o período de afastamento de 30 dias de Simões, motivado por uma viagem até Miami, nos EUA.

A decisão de manter a Câmara com uma cadeira vaga foi do presidente José Reis de Jesus Silva (PODEMOS). Indagado sobre sua decisão, Reis alega ter entrado em contato com o MP (Ministério Público) do Estado e recebido uma recomendação contrária à aceitação de suplência em casos de substituições inferiores ao período de 120 dias.

Pauleteh alegou que se sentiu “desumanizada, invisibilizada e desrespeitada” com a decisão de José Reis. “Senti como se a minha existência não tivesse nenhuma importância. Senti nojo dessas pessoas que foram eleitas para representar todos os munícipes de São Sebastião, mas que só agem segundo os próprios. Feriram a lei e a DEMOCRACIA de uma forma muito segura e confortável, achando que ninguém ia dar moral para os gritos de socorro de uma travesti preta”, respondeu a suplente, questionada sobre como se sentiu ao ser barrada na Câmara Municipal.