Homem tentar matar ex que voltava de delegacia após denunciá-lo

0
387

Uma mulher quase foi assassinada pelo ex-marido na porta de casa na noite da última sexta-feira, 15, na zona leste de São Paulo. A tentativa de feminicídio aconteceu horas depois da vítima pedir medidas protetivas contra o ex-companheiro por causa de ameaças.

Câmera de segurança flagrou o momento em que Marcos da Silva Correia joga o carro contra o veículo da ex-mulher. Ela estava entrando na garagem de casa, no Jardim Tietê, com as três filhas, quando foi surpreendida com o impacto da batida.

Depois da batida, Marcos desceu do veículo e usou uma barra de ferro para agredir a ex-companheira. Uma das crianças, de 8 anos, também ficou ferida na colisão. Ela deve passar por uma cirurgia após sofrer uma fratura no fêmur.

Em entrevista à TV Globo, a vítima, que não quis se identificar, disse que já vinha sofrendo ameaças do ex-marido. O ataque ocorreu minutos após a empresária ir à delegacia pra pedir uma medida protetiva contra Marcos.

A empresária contou que esta não foi a primeira vez que o ex-marido se mostrou violento. Ao longo de oito anos de casamento, foram várias agressões físicas e verbais. Em 2020, ela chegou a fazer um boletim de ocorrência porque sofreu arranhões durante uma discussão.

Feminicídio

No Brasil, três mulheres são assassinadas por dia. A cada dois segundos, uma mulher é agredida no país. Quase 80% dos casos, os agressores são o atual ou o ex-companheiro, que não se conformam com o fim do relacionamento.

Feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher ou em decorrência de violência doméstica.

Quando o assassinato de uma mulher é decorrente, por exemplo, de latrocínio (roubo seguido de morte) ou de uma briga entre desconhecidos ou é praticado por outra mulher, não há a configuração de feminicídio.

lei 13.104/15, mais conhecida como Lei do Feminicídio, alterou o Código Penal brasileiro, incluindo como qualificador do crime de homicídio o feminicídio.

Também houve alteração na lei que abriga os crimes hediondos (lei nº 8.072/90). Essa mudança resultou na necessidade de se formar um Tribunal do Júri, ou o conhecido júri popular, para julgar os réus de feminicídio.

Saiba onde e como denunciar:

  • Disque 100

O serviço pode ser considerado como “pronto socorro” dos direitos humanos pois atende também graves situações de violações que acabaram de ocorrer ou que ainda estão em curso, acionando os órgãos competentes, possibilitando o flagrante. O Disque 100 funciona diariamente, 24 horas por dia, incluindo sábados, domingos e feriados.

As ligações podem ser feitas de todo o Brasil por meio de discagem gratuita, de qualquer terminal telefônico fixo ou móvel (celular), bastando discar 100.

  • Polícia Militar (190)