A sonda Juno, da Nasa, foi enviada ao espaço em 2011, mas só alcançou a órbita de Júpiter cinco anos depois. Desde então, ela tem explorado a composição, distribuição atmosférica, entre outras características do planeta. Agora, a espaçonave captou imagens a “apenas” 1.038 quilômetros de distância da Ganimedes, a maior lua de Júpiter, que foram divulgadas pela Nasa na última terça-feira (8).Júpiter tem um total de 79 luas. Ganimedes é não só a maior delas como também a maior de todo o Sistema Solar. Com um raio de 2.634 km, Ganimedes é maior até que Mercúrio, que tem 2.440 km de raio. Ela é a única lua grande o suficiente para gerar sua própria magnetosfera, uma bolha de partículas eletricamente carregadas que reveste o corpo celeste. A última espaçonave a chegar tão próxima da lua de Júpiter foi a Galileo, em dezembro de 2000.Imagem do lado iluminado da lua obtida pela JunoCam. NASA/ReproduçãoDesta vez, as imagens obtidas pela Juno mostram as crateras do planeta, além das listras longas e estreitas no solo, provavelmente causadas por falhas tectônicas. Essa primeira foto foi feita pela câmera principal da espaçonave, a JunoCam, que capturou a maior parte da porção iluminada da lua. A resolução é de 1 km por pixel.A imagem ainda está em preto e branco, mas deve ganhar cor em breve, quando forem divulgadas novas versões das fotografias obtidas a partir de filtros coloridos (leia mais sobre fotografias espaciais aqui). A sonda Juno deve enviar mais fotos ao longo dos próximos dias.Uma segunda imagem foi capturada pela câmera de navegação da Unidade de Referência Estelar, que mostrou outra porção de Ganimedes, que fica oposta ao Sol. Conseguimos vê-la na imagem abaixo porque ela reflete a luz vinda de Júpiter – que por sua vez reflete…

LEIA TAMBEM:  Lula fica preso em Curitiba, decide STF